segunda-feira, 25 de agosto de 2014

O Gadanha e o Sátiro

Ontem, sob o título «António Telmo homenageado no IV aniversário da sua morte», publicou-se uma mensagem, ilustrada com algumas fotografias da estátua e tanque do Gadanha, em Estremoz. Pretexto, para hoje as inserir, aqui, de novo e lembrando Zeca do Paço ou  o Zé Capador de Estremoz, nomes por que era conhecido o Sr. José João Nunes Martins (Castrador Diplomado pela Escola Superior de Medicina Veterinária de Lisboa).
Há uma ligação grande entre o sítio onde está o Sátiro, no Rossio do Marquês de Pombal, e o tanque do Gadanha. Em tempo antigo, um fio de água, um regato, vindo de onde Nun'Ávares Pereira rezou, antes de se dirigir para a batalha dos Atoleiros, junto a Fronteira, corria na diagonal até mais ou menos onde é a Fonte das Bicas, na parede do tanque virada para o lado do castelo e do Hotel Gadanha, defronte. O poeta imagina os dois seres mitológicos, com óptima capacidade auditiva e visual, em diálogo bem humorado da parte do Sátiro, como dele se espera... A resposta do Gadanha, mais empenhado na tarefa de levar a gente, não a sabemos. Talvez seja mais ponderada que a do parente.
     Obs.: Vejo, agora, que os últimos seis versos podem ser do Gadanha, o que obrigaria a alterar o texto que precede.

(Da internet)


 Esta espécie de concha é relativamente recente. Espero que não pegue a moda da cobiça do espaço vazio, para ir semeando objectos. Este espaço é só do Gadanha. Deve ser indisputado ao ceifeiro, que vê partir toda a gente e vai ficando. Só.

*


Zeca  (Dito)
«Vou dizer uma obra da minha autoria, dedicada a duas estátuas, ou seja(m), dois monumentos que tem Estremoz — o Sátiro a falar para o Gadanha.» Zeca dá uma explicação breve1.

Diz [disse?] o Sátiro em piadas:
«Gadanha, somos parentes;
As nossas mães eram fadas:
Duas mouras encantadas
Que vierom nas águas correntes.
São as fontes, os nascentes,
O nosso lar, o nosso canto.
E por sermos descendentes
De encantados das enchentes
É a água nosso encanto.

Somos o riso dos outros
Tu, por teres umas grandes barbas
De mim, riem-se os garotos
Dizendo, feitos marotos:
“Olha o patas de cabra!”
Mas, os anos que passam velozmente
E os que mangam vão levando.
Dêx’òs lá mangar da genti!
Lá vai mais um, ó parenti
E nós cá vamos ficando.»

No fim, parece a voz do Zeca, dizendo: «Isto…, é do Zeca! — Responde um: «Isto é do Zeca, isto é obra seleccionada.»


1 «Porque todos quantos morem nas proximidades de Estremoz, têm que passar junto do Gadanha, mas (?) do Sátiro…»  O «mas» deve ser com pronúncia aberta, «más» ou «mais», aqui, com o significado de «e». Têm de passar junto do Gadanha e do Sátiro.

*
Fados e outras coisas do Zeca  (C-1 – cassete do sr. Madruga). Dito.
*
     Os versos, acima, inserem-se numa recolha de poesia popular, maioritariamente, décimas, feita, sobretudo, em 1972/73, junto com Francisco dos Santos Rodrigues,  e ainda à espera de umas boas horas e horas de trabalho, para ultimar uma possível e desejada publicação.

     O convívio com o Sr. Zeca deu-se no café e restaurante do Sr. Ramalho, no Rossio, junto à Rua Victor Cordon. 
     Actualizado, às 13:41, de 26 Ago. Acrescentada uma Obs.

Sem comentários:

Enviar um comentário