segunda-feira, 31 de outubro de 2016

A Inundação da Terra

É o título de programa no Canal 1 que me deixou preso ao maple até ao fim. Com Leonardo diCaprio, Mensageiro de Paz das Nações Unidas. Para fazer o documentário, percorreu o mundo de lés a lés.
Em 1998 criou a Leonardo DiCaprio Foundation «com a missão de proteger os últimos lugares selvagens da Terra e implementar soluções de molde a construir uma relacção mais harmoniosa entre a humanidade e a natureza»*.
Leonardo DiCaprio começa por nos falar da pintura que pendia da parede, junto ao seu berço. Cresceu a vê-la. Era um tríptico de Hieronymus Bosch. Vemos no painel da esquerda a vida no Paraíso. No painel central, o Jardim das Delícias. No final do documentário somos confrontados com a visão do último painel: a vida no Inferno. Antes de lá chegar, acompanhamos Leonardo DiCaprio por lugares do planeta onde vemos poluição atmosférica com libertação altíssima de dióxido de carbono, incêndios enormes em florestas da Indonésia, que dão lugar a plantações para produzir óleo de palma barato, e paisagens terrestres e submarinas, onde se se comprova a marcha já iniciada do aquecimento global. No fim, a imagem do nosso futuro, se nada fizermos, o inferno que nos esperaria em tal caso, figurado no terceiro painel de Jerónimo Bosch.
São-nos mostradas imagens da Terra vista do espaço e do número de satélites que permanentemente giram em torno dela, informando os cientistas que fazem a monitorização dos dados obtidos ao longo dos dias, meses, anos e décadas. 
Todos dizem: «É preciso fazer alguma coisa, já.» DiCaprio fala, entre outros,  com Obama, Ban-Ki-Moon, o Papa Francisco no Vaticano e um cientista vítima de cancro no pâncreas em estado avançado, consciente da gravidade da situação que a todos preocupa, mas optimista, homem de esperança.
O título do documentário em inglês é de algum modo optimista, o que se desvanece na tradução portuguesa -- Before the Flood. Podemos estar «Perante a Inundação», com ela diante dos nossos olhos, ou «Antes da Inundação», novo dilúvio gerado por nós. A palavra inglesa pode ler-se com os dois sentidos em simultâneo. O «dilúvio» já começou, mas podemos revertê-lo.
*
*Transcrevo daqui:
Desde 1998, a Fundação Leonardo DiCaprio estabeleceu relações duradouras com líderes e peritos ambientais, tendo estado continuamente empenhada e activa nas mais prementes questões dos nossos dias -- protegendo a biodiversidade, oceanos e conservação das florestas, e mudança climática.
*

https://es.wikipedia.org/wiki/El_jard%C3%ADn_de_las_delicias
(Actualizado em 02-11-2016. Colocado vídeo)